História

História

Os primeiros habitantes de Frecheirinha, Capitão Manuel Victor, Vicente Thomaz de Aguiar, Alexandre Silvério, Pacífico Carneiro e José Borges que, no início do século XX teriam deslocado-se para a zona, outrora pertencente ao município de Coreaú, atraídos pelas fertilidade do solo.

Em 1903 é levantada uma pequena capela de taipa em devoção a Nossa Senhora da Saúde, padroeira do município, no local onde hoje é erigida a matriz, formando-se ao seu redor o povoado. Em 1933 Frecheirinha passou a integrar o município de Tianguá e, em 1937, retornou à jurisdição de Coreaú, então Palma. Foi elevado à categoria de Vila pelo Decreto-Lei nº 169, de 31 de março de 1938. Frecheirinha veio a emancipar-se politicamente pela lei de número 1.153, de 22 de novembro de 1951, elevada assim à categoria de município. A 25 de março de 1955 é instalada a nova comuna.

NOME E SEU SIGNIFICADO

Sabe-se que a história de “Frecheirinha” começou ao redor do Olho D’água, onde à sombra das imensas Oiticicas habitava uma tribo que provavelmente seria descendente da Tribo dos Tabajaras (Senhores das Serras) que habitavam os sertões e rios da Zona Norte do Ceará e principalmente onde houvesse água abundante. A tribo era liderada por uma índia chamada “Flexeira” muito hábil no manejo da flecha. Flexeira deu a luz uma filha que em pouco tempo se tornou muito mais hábil no manejo da flecha do que a própria mãe e logo ficou muito querida e respeitada na aldeia. Em homenagem à indiazinha a aldeia passou a ser chamada de “Flexeirinha”. Daí surgiu o nome do Município de Frecheirinha, considerando que a Vila que mais tarde serviu de Sede ao Município se desenvolveu ao redor do Olho d´Água.